30 julho 2013

A Matemática dos amantes

Às vezes fica difícil conciliar gostar de alguém com nossas fases da vida. Os planos de viajar e estudar em Orlando, Marselha ou Dubai, a alta e quente temporada com toda sua curtição e ressaca, o rompimento de um namoro de dois anos, há quinze dias. Tudo desculpa contra o amor e sua impontualidade, que continuamente estorva caminhos e desvia rotas. Então deixa pra depois. O amor pode esperar, certo?
 Certo para você que é daqueles que não aprenderam a acepção do amor. Penso, logo não sinto, não vivo, não amo. Em cartaz, o complexo de Romeu e Julieta. Sua afeição é pelas experiências plásticas, pelas projeções enganosas. Apaixona-se por estar apaixonado, por estar namorando, pela virtuose de amar. Mas no fundo não gosta de ninguém, desconhece que amar é dividir, aceitar, ceder, adorar e o mais importante: deixá-lo acontecer. O amor é maior que você, logo dá as cartas e a gente obedece prestando reverência subalterna. Amém. Do contrário, ele passa a vez aos mais interessados. Sai sem dizer que hora volta.
 Seu objeto de amor, ou melhor suas conjunções favoritas são o “mas”, o “porém”, o “contudo”. Feitas para acomodar palavras dentro de frases e desagrupar pessoas nas situações impostas pelo acaso ou destino, conforme crença. Eu gosto dela, mas ela ouve Rio Negro e Solimões a 50 decibéis. Eu amo ele, porém o desgraçado mora em Horizontina e eu em Porto Alegre. Sou apaixonado por ela, contudo tenho uma noiva legalzinha. Ora, ninguém ama alguém por gosto musical, divisas ou estado civil. São apenas balizas ou breves empecilhos. O “se” é uma boa e educada maneira de dizer a verdade. A pessoa simplesmente não está a fim de você.
 Quem ama cuida, quem gosta quer estar perto, quem adora sabe que amor é verbo e não substantivo, é uma aventura diária carnal e emocional, não uma moldura bonita e pertinente a enfeitar as paredes da sua vida. Amor é manco de gramática, sendo quase tão certo quanto matemática, entretanto não aceitando resultados inexatos, com vírgula ou aposto. Todo pormenor a dividir duas pessoas deve levar nas costas qualquer nome. Amizade, capricho, tico-tico-no-fubá, quiproquó, pirraça, o que for. Menos amor.
 A razão de amar é simples. Um e um são dois. Eu te amo + eu te quero = dou um jeito de ficar contigo. Dou jeito de andar do seu lado, de dividir tempo, cheiro, edredom, banheiro e melancia. A razão dos amantes não calcula-se no papel, na ponta do lápis. Sim no viver, sim no sentir. O amor existe no calor da iminência, do arredor, do tato e do contato. A frieza do resto, embora lembre um pouco amor, na real é qualquer bobagem.

Gabito Nunes

Um comentário:

  1. AAh, que perfeito!!
    Eu amei tudo! Até o título suasuahsuh

    Beijos
    Batom de Framboesa
    Fica com Deus ♥

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...